6 de janeiro de 2011

é só pra dizer que…

LADRAOEu não sei se todas as evidências de podridão que ultimamente têm vindo a lume sem cessar são mesmo reais, se são consequência de ganâncias extremas ou mal disfarçadas invejas, ou se são apenas ataques certeiros para derrubar adversários perigosos. Não sei, de facto, qual a etiologia de todas as torpezas e vergonhas que se avolumam grossas por baixo do pano diáfano do discurso mediático.

Se se tratar de situações verdadeiras, fica claro que vivo num país que não é o meu. Se se tratar apenas da ganância de quem ainda não tem e há muito vê os outros terem, proclamo que este país não é o meu. Se o objectivo de toda esta baixeza é apenas a luta partidária pelo poder, concluo facilmente que este não é o meu país.

O país que sei é o país dos falhados néscios a quem solidamente ensinaram as baboseiras da hombridade e da rectidão, da decência e da dignidade. Esse é o país navegador que me deixou para sempre a ver navios.

Que me desculpem todos os ladrões e embusteiros regimentados por eu ter ficado tão irremediavelmente burro…

(Imagem daqui)

2 comentários:

Tony disse...

Como eu te compreendo!
E mais: como eu, no meu lugar, me sinto incapacitado de algo fazer, para acabar com esta vergonha!
Como eu, também eu, vivo a ver passar os navios...

Anónimo disse...

Exacto, Tony. E, mesmo com o poder que tens, pouco podes fazer. E isso é que é arrepiante, ou seja, que o poder judicial esteja de certo modo manietado em relação a tudo isto...
jmm