15 de junho de 2011

Minudências minhas

medoO medo

Fiz o 25 de Abril, tenho 60 anos, duas ou três doenças graves, três casamentos, dois divórcios, uma bala enfiada na coxa e um emprego de 1300 euros. Teoricamente, já não deveria ter medo de nada…

E, de facto, só tenho medo de duas coisas nesta vida: da morte, pelo facto de não a conhecer e do 7ºB, pelo facto de o conhecer tão bem. A morte assusta-me pela sua inevitabilidade. O 7º B assusta-me pela sua irredutibilidade. Nada pára a morte e muito menos coisas conseguem parar o 7ºB: nem o Director, nem a expulsão, nem notas vergonhosas, nem violência, nem jeitinho, nem amor, nem raiva. O 7ºB não pára nunca, não se cala jamais, nunca abandona a sua férrea indisciplina, a sua permanente insolência,  a sua sistemática e constante desordem física e mental. O 7ºB, amigos, espreita a cada esquina. Matricula-se ano após ano, quer tu queiras ou não, e esse facto traz sonâmbulo de pânico o Director de Turma. O 7ºB esmurra joelhos, cotovelos, armários e narizes. Esmurra indelevelmente a auto-estima dos professores.

Por vezes pergunto-me se não haveria outro lugar onde o 7ºB pudesse ser encafuado, de modo a não causar tanto dano, de modo a não provocar tanto desastre num só dia…

Dizem-me logo que não! Que turma de miúdos destes só pode mesmo é “estar” na escola. Aspei “estar” porque jamais essa turma foi capaz de “estar” em algum lado. Aquela turma nunca “está”. Move-se furiosamente para a esquerda e para a direita, para diante e para trás, sem nunca aquietar onde seria suposto fazê-lo: com os fundilhos pousados sobre uma cadeira. (Não, cola está fora de hipótese, dizem-me agora).

Obviamente, vou jogar todo o meu poder de sedução (que espero ainda me acuda) para que Deus, um bafejo de sorte ou o Director afastem de mim esse cálice. Para sempre, se possível.

Se “para sempre” não for possível, que a turma venha ter comigo de novo no dia em que o meu outro terror (tenho dois, lembram-se?) resolva rasteirar-me um dia desses... Tenho certeza de que o 7ºB me prestará, então, um enorme serviço, atenuando o medo que sentirei nesse momento.

(Talvez então esse meu outro íntimo terror nem me pareça tão pavoroso…)

 Post 750     (Imagem daqui)

3 comentários:

Faty disse...

Hahaha, do melhor! Ganda 7º B, se me permites! Conseguir ser alvo de tanta atenção não é para todos lol Adorei a do cálice, mas não o passes para mim tá? :) Bjs e viva os teus 60 anos de irreverente (auot) estima.

CONTRA D´OIS disse...

Brilhante...

Nídia disse...

Humor muito inteligente! Adorei.
Tudo de bom.