3 de novembro de 2012

acções de formação e rendas de bilros (parte 2)

PASSAROS(continuado daqui)

Vamos revisitar o Fausto Lindoso. Lembram-se dele? Quando o lobrigámos, estava em plena acção sexológica, ou seja, sentado à secretária, acabrunhadíssimo, triste, desconsolado, perdido, erectilmente disfuncionado.  Desenrolava a dança dos afectos perante alunos clivados entre sonolentos e gozões, cinquenta por cento à espera do toque da saída e outros cinquenta à procura de razões para se queixarem do professor aos respectivos papás – indefectíveis baluartes da decência e dos bons costumes. E Fausto Lindoso, recentemente empossado da competência sexológica que aquela providencial acção de formação lhe outorgara em menos de um fósforo, a fazer lembrar os cursos das universidades privadas em Portugal, respondia, pesada e indolentemente, a uma ou outra pergunta, sempre necessariamente estúpida, sobre menstruação, masturbação, inseminação, ejaculação, felação, aberração, excitação, frustração, penetração, refundação, e pensava intrigado sobre quantas palavras terminadas em “ção” cabem na (des)Educação Sexual e, enfim, em outras formas de fornicar o povão que tantos especialistas, ricalhaços, políticos e restantes fodilhões tão competentemente desempenham…

Na verdade, quereria não ter escrito este último período do parágrafo antecedente, em nome dos bons costumes e das públicas virtudes. Por isso, peço encarecidamente ao leitor que o ignore, para que possamos direccionar a atenção para a história de Fausto Lindoso que, a continuar assim, se perpetuará no blogue e na impaciência de cada um de nós. Segue-se, portanto, que aquela aula ameaçava ruir a qualquer momento, degenerando numa desgraça qualquer para Fausto Lindoso ou (em mais saudável alternativa) numa sesta iminente, generalizada e fértil.

Graças a Freud, Charcot, Jung. Janet, Deus, Machado Vaz, nada disso aconteceu. Muito pelo contrário, foi nesta aula que se deu o milagre que há tanto tempo Fausto esperava: um aluno lá do fundo (os alunos do fundo são sempre os que fazem perguntas mais assustadoramente pertinentes) pediu a palavra. Fausto deu-lha, contrariado. Professor, estas aulas de Educação Sexual são uma seca. Não é pelo senhor, Dr Fausto. É mesmo a matéria. Posso sugerir uma coisa? Podes. Quando é que o professor volta a ensinar-nos rendas de bilros, aviões de papel e o ponto de cruz do tapete de Arraiolos?

Assim se fez. Fausto Lindoso é feliz de novo. Mas aprendeu que tem que ler o objecto das acções de formação se, por alguma razão inesperada, tiver que voltar a inscrever-se numa.

    Post 863          (Imagem daqui)

5 comentários:

Faty Laouini disse...

:):) Já me arrancaste umas valentes gargalhadas, amigo. Deliciosamente hilariante. Adoro ler-te, és único. Bom fim de semana

odete ferreira disse...

Fabuloso este Fausto Lindoso! Multifacetado, sapientíssimo, pacientíssimo e docentíssimo!
Fausto Lindoso só poderia ser retratado por um autor talentoso como tu. Alguns discentes e progenitores destes estão caracterizados com o mesmo humor verrinoso.
Of

Anónimo disse...

Havia um erro de cosntrução: faltava uma copulativa (e) numa frase. Já corrigi. (Parece impossível ter-me esquecido da copulativa num texto sobre sexualidade...)
joao de mirana m.

Anónimo disse...

Depois de uma tarde a aturar as bestas do costume, este magnifico texto deixou-me logo de bom astral. Não, não me peças para ignorar as últimas linhas do primeiro parágrafo. Aí brilhaste, meu caro amigo! Muito bom mesmo! bjs Marla

Anónimo disse...

ah, e já agora, lobrigámos, pois claro. é a pressa...:)
vou corrigir já. Desculpem.
joao de miranda m.