4 de fevereiro de 2012

Panem et circenses

carnavalSim, mas isso era na Roma antiga, na Roma esclavagista, há perto de três milénios. Aqui, nesta democratíssima sociedade lusitana, nesta barcarola sem rumo, nem panem, nem circenses. O pão já nos foi roubado da boca para dar aos abutres. O circo, acaba de nos ser vedado com o corte do direito ao Carnaval.

Eu acho que o primeiro ministro devia pensar melhor. Roubar-nos a dignidade, o pão, o trabalho, o salário, a casa, encher-nos de impostos, de taxas, de multas, de opróbrios, de angústias, de tristezas e de depressões, enfim, inviabilizar-nos qualquer forma de existência aceitável será perfeitamente suportável por este povo que deixou há muito de sentir. Mas, senhor primeiro ministro, tirar-nos o dia do ano em que podíamos gozar livremente com a sua cara, e a dos outros parvalhões que nos governam, isso é que não pode ser.

(Vá por mim, isso pode fazer ruir o resto do império, homem…)

   Post 813       (Imagem daqui)

4 comentários:

Fátima Laouini disse...

Hehehehe excelente. E já agora deve seguir-se a Páscoa, não? Bj grande

Anónimo disse...

Muito bom, João! Diatribe perfeita!
Abraço
OF

Anónimo disse...

Com tanta austeridade, um dia a bolha rebenta. Ainda me recordo quando o Cavaco tomou medidas semelhantes e não lhe correu lá muito bem. Mas parece que o povo está muito manso e esquecido... Enquanto houver vinho e futebol, o povão não reclama. Marla

Anónimo disse...

três grandes abraços para Fátima, Odete e Marla. Um grande e tolerante (no ponto) carnaval
joao de miranda m.