12 de julho de 2012

Acções de formação e rendas de bilros (parte 1)

“Bom, já que tenho que me apresentar, aí vai. Chamo-me Fausto Lindoso e sou, obviamente, natural do Concelho de Biana do Castelo. Sou professor de Trabalhos Manuais na Escola B2/3 da Mamarrosa do Botão. Tudo corria pacatamente, ensinava origami às terças e quintas e bordados regionais às segundas, quartas e sextas. Quis o destino que fosse fazer uma acção de formação, para tentar mudar de escalão. Como de costume, inscrevi-me sem ver de que acção se tratava. Quando me apresentei no dia e hora combinados para a primeira sessão, verifiquei que se tratava de Educação Sexual em Meio Escolar. Mas, enfim, já lá estava dentro e um homem nunca recua.

Lembrei-me de ter ouvido falar dessas acções. Pessoas equilibradas que incautamente as frequentaram tiveram que fazer de Júlio Machado Vaz para o resto das suas vidas académicas. Na verdade, sempre achara essas histórias um tanto exageradas. Na minha mente, uma simples acção de formação não pode ter repercussões tão nefastas na vida de um cidadão, ainda que se trate de uma acção inconcebivelmente ousada e perturbadora. Foi exactamente por partir do pressuposto da sua sã inoquidade que me derramei na cadeira de fórmica e abandonei definitivamente a ideia de me ir embora, como tantas vezes fizera já, sobretudo naquelas acções sobre autonomia e aprender a aprender que foram moda nos anos 90 e que agora já não têm praticamente nenhuma saída.

Fiquei. Fizemos logo um teste de múltipla escolha para diagnosticar o nosso estado de conhecinmentos e, enfim, despistar eventuais taras dos formandos. Eu, depois de pensar um pouco, achei que deveria errar duas ou três questões para justificar a minha permanência na acção e também para elevar um pouco a auto-estima da formadora, a Dra Isolina Meneses, 62 anos, casada, divorciada, casada outra vez e de novo divorciada e, ao mesmo tempo, convencê-la em definitivo da importância e premência da acção de formação que desencadeara, sabe-se lá porquê. No último teste acertaria todas as perguntas, facto que daria à formadora a sensação da enorme utilidade das suas aulas e lhe inflamaria o ego, se este, obviamente, possuísse algo de combustível.

Não possuía, na verdade, antes se tratava de um ego adormecido e aquoso, residindo a explicação do facto na sua avançada idade bem como na avançada idade de todos os formandos desta enternecedora classe de jarretas.

Porém, das verdadeiras repercussões que esta acção tomaria no futuro vos darei conta em tempo oportuno, isto é, num momento em que não venha nada a propósito e em que as duas pessoas que leram isto já tenham, eventualmente, emigrado.”

(Continua…)

     Post 845       (Imagem daqui)

2 comentários:

Fátima Laouini disse...

:) Ainda cá estou - a muito custo:)

Anónimo disse...

Ainda não emigrei e pod ser que consiga resistir ... e se emigrar poderei ler na entrenet