14 de junho de 2012

Obriguei Patxi Andion a explicar-me…

filhso de politico escola publicaNo te he dicho grandes cosas
Porque no me habrian salido

Não é por falta de assunto que estou calado, mas por ter assunto demais. Um blog em contratempo seria suposto ter (passe o anglicismo), nos dias que correm, pasto suculento e farto para descomunal manada. Tudo o que se tem passado recentemente à nossa volta, desde as várias e ordinárias jogatinas políticas, passando pela mentira globalizante que nos imbeciliza, passando por uma escola prostituída aos relatórios circunstanciais, passando por uma sociedade tola que se implodiu e terminando na eurofutebolização dos costumes e dos cerebelos lusitanos, tudo seria manancial inesgotável para críticos de costumes, analistas políticos, opinadores sociológicos, vaticinadores temerários, maledicentes sem limites e, enfim, para este vosso criado que, não sendo nenhum destes, é de todos eles um pouco. Assim, eu, como um fulaninho que oscila entre a casmurrice gerontológica, o ajuizado encolher de ombros, o asinino abanar de rabo e orelhas do arguto burro de Orwell, a amena e melancólica galhofice e o tonitruante murro na mesa, não deveria ter-me votado, por tanto tempo, a tão insólita e insípida mudez, diante de tanta estultícia, infâmia e malvadez como a que a actualidade despudoradamente nos oferece dia após dia.

Que hellada esta casa…

Não deveria, mas fiquei calado. E quando imaginei que, na sequência de tamanha irritação comprimida, de tanta contenção forçada, do acúmulo de raiva engolida a seco, acabaria por explodir agora em apoteose destruidora, em demolidor discurso, em arrebatado e explosivo estertor, não mais que este acanhado e ridículo textículo fui eu capaz de parir. É bem certo que é no paroxismo da indignação, na mais destrutiva inflamação anímica que nos encolhemos inexplicavelmente e, inexplicavelmente, parimos ratos.

Fica aí isso. Que alguém mais sábio do que eu dê forma, consistência e sentido ao que fica dito. Pois eu sinto que solo palabras sobre notas me han salido…

  Post 838      (Imagem daqui)

6 comentários:

Anónimo disse...

Poxa...

Zé Crioulo

Fátima Laouini disse...

Hehehe como te compreendo. Quantas vezes me apetece ficar e fico calada. Sabe tão bem o descanso :) que muitas vezes isso significa...

Anónimo disse...

Pois é, nos últimos tempos (semanas) temos sido bombardeados por notícias cada vez atrozes e escandalosas, muitas delas ataques aos direitos que nos assistem, outras da falta de justiça que impera na nossa república das bananas. Temo que o nosso silêncio, torpor e mansidão nos vá deixar muito mal!!! Marla

Anónimo disse...

Fátima
É verdade, isso represewnta um certo descanso, um alívio, uma certa fuga, digamos. Mas pode também ser muito negativo. É o torpor e mansidão de que fala a Marla e que nos pode conduzir a um limbo sem regresso...

o autor

Anónimo disse...

E aprender a escrever, não?

joao de miranda m. disse...

Anónimo,
Claro que sim, caro anónimo! Essa é uma competência que ando há anos a tentar adquirir, sem grande sucesso. Importa-se de me dar umas dicas? Abraço.
O autor