24 de janeiro de 2013

Chipre Imperial

chipreÉ absolutamente escandalosa a degenerescência dos produtos cosméticos. A falsificação generalizada dos produtos cosméticos está-me a deixar perigosamente nervoso. A pasta medicinal Couto deixou de ser medicinal e vende-se nos botecos de bairro; a lanolina perdeu a sua mística redentora; o algodão Thermogene, de calor avassalante, já não nos faz cuspir fogo; o wash and go é uma síntese impertinentemente desqualificada do velho trato capilar, tão demorado como conceituado; o pó de arroz virou pó de talco; o sabonete patti da minha infância, inefável de aromas subtilmente afrodisíacos, cheira a outro sabonete qualquer; o Cacharel cheira a limonada.

Mas a história que vos quero contar gira à volta do Chipre Imperial, um sabonete dos anos setenta que representa, certamente, o mais notório caso de mistificação cosmética.

Na semana passada, deambulando por um supermercado, deparei com uma prateleira do velho sabonete Chipre Imperial e travei às quatro rodas, paralisado pelo espanto e pela saudade. (O espanto parou as duas rodas da frente e a saudade parou as outras duas). Comprei uma boa porção e fui para casa, convicto da transformação que aquele sabonete iria operar na minha vida. Enquanto isso, a minha memória, evasiva e tumultuadamente, transportou-me até a segunda metade da década de setenta: um duche lento, uma expectativa suculenta, um espelho sorridente de pasta Couto, uma hipótese de erecção e o sabonete Chipre Imperial, o ubíquo e compassivo Chipre Imperial, a permanente segurança, o terror impiedoso de todos os odores, a salvação dos dias mornos, o elixir da virilidade absoluta. Uma manhã com Chipre Imperial assegurava-me uma tarde promissora e uma noite sempre irrevogavelmente cumprida. As mulheres sucumbiam ao suave aroma do Chipre e o meu corpo respondia voluptuoso e imponente aos seus ataques inteligentemente subreptícios.

Há oito dias que me lavo (digo, me esfrego, me derreto, me envolvo, inundo) com Chipre Imperial. Só que, desta vez, o sabonete de todas as delícias está miseravelmente falsificado., Nem um único espelho me sorriu, nem uma única mulher reagiu favoravelmente ao meu aroma. Pelo contrário, o sabonete descredibilizou a minha tarde e emudeceu a minha noite. Desinspirou a minha verve, adocicou-me sovacos e cuecas. Enfim, uma miserável falsificação de sabonetes e os falsários por aí livres e impunes!

O meu amigo João Luís disse-me que isso se pode dever ao facto de eu ter feito 61 anos no mês passado. Definitivamente, os nossos amigos estão a ficar destituídos de sentido crítico e acreditam em qualquer patranha. Quer dizer, os falsários proliferam sem restrições e depois o nosso aniversário é que tem a culpa???

       Post 874      (Imagem daqui)

6 comentários:

Faty Laouini disse...

:) Que delícia! Quer dizer, que cheirinho! Quer dizer, que deceção! Realmente, usar a idade como bode expiatório. Mal, mal. :)
Chipre Imperial? Mas aquilo não está dividido em duas partes? Dois antigos impérios a disputá-lo? :) Talvez seja isso, impérios que já se foram. Vais ver o problema está no ... nome! ;)

Anónimo disse...

eheheh. beijinho e parabéns ao aefetivamente. já ganhou! (mesmo que não ganhe)
joao de miranda m.

Anónimo disse...

Chipre Imperial- esse nome é muito sugestivo! Poderoso, até! Dá a sensação que com um aroma desses não há fêmea que resista.
É de lamentar a terrível deceção! Por isso, mesmo existe a nostalgia, pois as coisas nunca mais voltam a ser as mesmas e até os aromas que nos eram familiares e queridos não se mantém, são defraudados... Que terrível vigarice! :) bjs Marla

Anónimo disse...

eheheheheeh. beijinho , Marla.
joao de miranda m.

Tony disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tony disse...

Meu Amigo de sempre:
Lamento que o Trala esteja em agonia!
Passei belos momentos com ele!
Mas a continuação está assegurada e vou continuar a deleitar-me com os teus escritos, noutra montra!

Já agora: e o Musgo Real?
Também eu encontrei, comprei... e fiquei triste!
Mas deve ser também do ADN (Adiantado da Data de Nascimento...).

Forte abraço.
Tony.